Category: Dica de Filmes

Dia das Bruxas foi ontem, mas o final de semana começa só amanhã! Pra não perder o pique trevoso dessa festividade macabra, reuni quatro filmes com temática “sobrenatural” pra você assistir com os amigos ou só – se tiver coragem. Tá, são filmes simples, não dão tanto medo, mas são ótimos pra comemorar com um sorvetão. Se joga na cama e aperta play!

Quero mostrar esses quatro longas maravilhosos, de época diferentes, de abordagens diferentes. O primeiro pôster é do filme Contos do Dia das Bruxas (Trick r’ Treat), de 2007, que narra uma história maior a partir de quatro curtas que se misturam. 

Dica de filmes para o halloween

É o Halloween incorporado em suas crendices (as abóboras, os mortos caminhando na Terra por 24 horas e até um azarado psicopata), de perspectivas diversas (desde o que crianças fazem, pedindo doces nas casas, aos adultos safadinhos que se fantasiam num carnaval americanizado pra conseguir sexo fácil). O grande barato de tudo é como cada história se interliga devagarzinho, como uma só cena dá gancho pra continuar outra história (todas se passam no mesmo bairro). 
O visual, apesar de não ser do tipo mais caro e mais produzido do cinema, é uma jóia, assim como os cenários: tudo transmite a sincera força que tem essa festividade. Ótimos tons de laranja, preciosos tons de vermelho (Anna Paquin, a Sookie de True Blood, que o diga!) e bom manuseio de estereótipos (a menininha estilo Carrie, A Estranha que ri por último) e por aí vai. O tempo passa sem nos dar chance de perceber. 

Já com as Jovens Bruxas (The Craft, 1996) preciso levantar a bandeira do “eu sou suspeito”. É um dos meus Top 5 e não vai sair de lá nem com porrada. Sarah (Robin Tunney, Teresa em The Mentalist) se muda para Los Angeles depois de tentar suicídio. No colégio católico, se mistura com as três badgirls com fama de bruxas: Nancy (Fairuza Balk, Sapphire do épico Quase Famosos), Rochelle (Rachel True, nenhumpapelimportante) e Bonnie (Neve Campbell, eterna Sidney Prescot da franquia Pânico). 
Juntas, humilham o cara mais galinha da escola, ficam ricas, lindas, fazem as vadias ficarem carecas e invocam o poder de um deus ancestral muito irritado. O que me faz gostar dessa falsa futilidade é a maneira com que os rituais são tratados (nada de efeitos especiais exagerados, mas sim velas e palavras convictas), quartos com lareira + sorvete + amigas fazendo bruxaria e O FIGURINO! Estilo rocker e excessos de crucifixos marcaram esse clássico teen dos anos 90! Se não viu, tá na hora!

Vi agora que O Segredo da Cabana (The Cabin In The Woods, 2011) teve sua estreia cancelada nos cinemas do Brasil, infelizmente. É o melhor filme de terror lançado há um bom tempo (apesar de amar Atividade Paranormal, o roteiro e a trama desse longa supera pelo conteúdo) e dividiu opiniões. No trailer, o filme diz que “você acha que conhece essa história”, e é isso que parece: você jura que já viu esse filme várias outras vezes.
Porque são jovens doidos por farra se hospedando numa cabana no meio do nada. O que você espera? Assassinos em série com máscaras de hockey, nem um pouco de inteligência das personagens e um conto inútil que, no fim, só serviu mesmo pra dar dinheiro à produtora. Só que estamos falando de O Segredo da Cabana e você vai ver que NADA É O QUE PARECE! Em caps!
Além de inteligentíssimo, consegue ser engraçado num momento ou outro tanto quanto consegue assustar (e assusta!). Além de ser uma ironia ao mercado cinematográfico, uma piada contra os hipócritas “sóbrios” da sociedade e uma homenagem sem medidas ao gênero horror. Já tem pra baixar em 1080p, então não espere sair em DVD: marca pra assistir no sábado!

Forma de Assistir os filmes

Bom achamos uma boa forma de ver todos esses filmes melhor que a Netflix, o termo se chama Iptv nele tem todos canais de tv e mais de 10 mil filmes, o melhor só pedir se não tiver um filme simples né? então agora é so comprar lista iptv e ser feliz.

Por último, outro do meu Top 5: Os Garotos Perdidos (The Lost Boys, 1987). Só posso dizer que o fato de eu usar brinco numa orelha só saiu daí, que gastei uma fortuna pra comprar o sobretudo que nem o do vampiro-teen-quando-vampiros-teen-eram-vampiros-de-verdade David (Kiefer Sutherland) e que o próprio Kiefer era uma de-lí-ci-a quando mais jovem. Na verdade, o elenco quase todo era formado por piteizinhos. 
Quando a mãe fica quebrada depois de se separar do marido, Michael e Sam acompanham a linda senhora Lucy para Santa Carla, onde se hospedam na casa do pai dela, o excêntrico avô taxidermista com cara de maconheiro. Depois de conhecer Star num show na orla (E QUE ORLA MARAVILHOSA PRA QUEM CURTE ROCK E BEBER NA RUA, COMO EU), se envolve com um grupo de motoqueiros que só faz coisa doida. 
Logo passa a dormir de dia e festejar à noite e aprende que ser imortal pode ser um incômodo quando você tem um irmão mais novo e uma mãe pra deixar orgulhosa. Sam, o caçula viciado em quadrinhos, conhece os irmãos Frog (um deles é o eterno Bocão dos Goonies, Corey Feldman) e partem na caça dos vampiros com altíssimo senso pra moda punk, cabelos compridos feitos sob design e decoração.
Nem vou falar que você vai ser um cocô pra mim se não assisti

filmes e uma série indicados para o Dia das Bruxas

Essa vida de blogueiro pode ser muito solitária! Aproveitando o Halloween, resolvi chamar amigos com blogs para criar uma lista onde cada blogueiro indicaria um filme diferente para ver no Dia das Bruxas! É quase como se estivéssemos fazendo nossa listinha pessoal para assistir no dia em que nos encontrarmos! Espero que você goste! Se quiser mais posts de Halloween, acesse essa categoria e não deixe de visitar o blog dessa galera!

***

O Jovem Frankenstein (Young Frankenstein, 1974)

O Jovem Frankenstein (Young Frankenstein, 1974)
Em tempos passados já fui um fã de filmes de terror. Passava horas assistindo e conversando sobre eles, mas aos poucos foram se tornando repetitivos. Aí comecei a debandar para outros gêneros. Logo, não poderia ser mais difícil indicar algo pro , por mais que indicar filmes de terror seja bem lugar-comum nessa situação. Partindo do ponto que um dos meus novos filmes favoritos da vida — The Rocky Horror Picture Show — é um filme clássico de Halloween, me lembrei de outro que assisti anos antes e que me divertiu da mesma forma. O Jovem Frankenstein passando num Telecine da vida foi uma das melhores coisas que eu já assisti. Não sou de comédias, mas filmes como esse e Rocky Horror me conquistam de uma forma que não sei explicar. O Jovem Frankenstein é uma paródia genial, diga-se de passagem, do clássico filme do Frankenstein. Nunca assisti ao original, mas consegui aproveitar a paródia sem problemas. Temos o médico e sua criatura outra vez, e o único desejo do monstro é ser amado. O Dr. Frankenstein de Gene Wilder é SENSACIONAL. Acho que poucas vezes eu ri tanto com filme quanto com O Jovem Frankenstein. Para quebrar a tradição dos filmes pesadões de terror, acho mais que válido uma comédia baseada no gênero, afinal, a festa do Dia das Bruxas já não é mais o finados que foi antes. O espírito da coisa é se divertir

Abracadabra (Hocus Pocus, 1993)

Abracadabra (Hocus Pocus, 1993)
Queria indicar Abracadabra porque foi o primeiro filme sobre Halloween que assisti na vida e gostei bastante. Eu pude perceber como era o Halloween tradicional e não senti medo por isso. Muito pelo contrário, me diverti muito! Não lembrava da existência desse filme até que um dia vi o finalzinho na TV! Fiquei, tipo: “CARACA! ADORAVA ESSE FILME QUANDO ERA PEQUENA”! Tinha o VHS e tudo

Os Fantasmas Se Divertem (Beetlejuice, 1988)

Os Fantasmas Se Divertem (Beetlejuice, 1988)
Beetlejuice é um filme pra você assistir no início da noite de Halloween, enquanto come amendoim se aquecendo pra gritar mais tarde. É um clássico, constantemente mencionado, e segue o gênero comédia e terror. Dirigido por Tim Burton, Beetlejuice tem que fazer parte da sua noite das bruxas porque nem só de terrorzão vive essa data: cadê os doces, travessuras e diversão

O Estranho Mundo de Jack (The Nightmare Before Christmas, 1993)

O Estranho Mundo de Jack (The Nightmare Before Christmas, 1993)
O porquê de ter escolhido O Estranho Mundo de Jack é que você pode passar o Halloween e Natal com clássicos do terror de fazer gritar e se esconder debaixo das cobertas, ou optar por algo “família”, que remete à infância de muitos marmanjos. Jack é uma mistura genial de animação fúnebre e musical marcado por letras que te fazem — de alguma forma — sentir medo! É fantástico! Também pelo fato do prefeito da Cidade do Halloween ter duas caras, que é uma sátira criada por Tim Burton para todos os políticos, visível quando o prefeito diz: “Jack, por favor, sou apenas um representante eleito, não posso tomar decisões sozinho”. Quis trazer algo que tivesse relação com música, um dark humor

Manequim 2 - A Magia do Amor (Mannequin: On the Move, 1991)

Manequim 2 – A Magia do Amor (Mannequin: On the Move, 1991)
Por mais que o nome tenha amor e a capa remeta a um romance, o filme tem muitas aventuras e uma história macabra por trás — e sempre é transmitido na Sessão da Tarde em véspera de Halloween. Ele inicia com o príncipe Willian apaixonado pela camponesa Jessie, e decide se casar com ela. Como toda história de amor, a rainha do reino (mãe de Willian) é contra o casório e procura um feiticeiro para lançar uma maldição em Jessie, para que assim eles se separem para sempre. Com isso, ela dá de presente um colar mágico que transforma a pessoa num manequim. Mil anos se passam e um funcionário chamado Jason Williamson resolve arrumar o manequim duma loja de roupas, tirando o colar. Quebrando o feitiço, ele se apaixona pela moça. Porém, o feiticeiro que a amaldiçoou resolve entrar na brincadeira e perseguir os dois. Nessa fuga, Jessie e Jason contam com a ajuda de um promoter que fará de tudo para ajudar o casal. Sem sombra de dúvidas esse é um dos meus filmes preferidos de Halloween! Também o escolhi por ter marcado a infância de muitos. Aliás, não somos todos discípulos de Peter Pan?

Pânico na Escola (Detention, 2012)

Pânico na Escola (Detention, 2012)
Esse mistura um pouco dos filmes trash de terror, comédia, e um elenco adolescente. Encontramos personagens com características hipsters e muitas referências dos anos 80 e 90 (principalmente Clube dos Cinco). Começa com o assassinato de Taylor Fisher, a bitch #1 do colégio. O que não era esperado é que o assassino fosse o personagem fictício “Cinderhella” famoso por filmes trash dos anos 90 (estilo Pânico). Após esse assassinato, todos na cidade ficam preocupados, principalmente Riley, que também estava sendo perseguida por esse personagem misterioso. Após mais alunos da escola sofrerem atentados, o diretor define suspeitos em função de todas as ações anteriores. A única forma que eles veem para descobrir o assassino é voltar no tempo com uma máquina muito bizarra. Pode ser um pouco confuso no início, mas quem gosta muitas cenas com sangue, mortes brutais e algumas risadas, o filme é super recomendado

A Cidade do Halloween (Halloweentown, 1998)

A Cidade do Halloween (Halloweentown, 1998)
O filme conta a história de uma garota de 13 anos, que por meio (sem querer querendo) de sua avó, descobre que pertence a uma linhagem de bruxas. Curiosa para descobrir mais sobre si, segue a avó até uma cidade ameaçada pelas forças das trevas, que conta com um plano de vingança contra os humanos no dia do Halloween. A garota tem como ajuda seus dois irmãos mais novos e a avó, que sempre sonhou em passar seus conhecimentos pra frente. Escolhi esse filme pois representa grande parte da minha infância nessa época, e embora tenha sido lançado quando eu tinha apenas três anos, suas reprises incontáveis permanecem até hoje. As melhores memórias que tenho do Halloween, numa época em que tudo parece verdadeiro — magia principalmente — têm esse filme como plano de fundo. Até me pego lembrando de como eu era inocente, acreditando que podia transformar sapo em gente!


American Horror Story (2011 – atualmente)

American Horror Story (2011 – atualmente)
Sei que meu amor platônico, Enrique, pediu para eu indicar um daqueles filmes bem assustadores para você roer as unhas nesse dia 31, mas tive que ser rebelde e, ao invés disso, indicar uma… série! American Horror Story (AHS para os íntimos) é meu guilty pleasure oficial. A história tem muito terror, sexo, suspense, e um enredo sensacional. Não é o clichê demônios-fantasmas-mortes. Os autores pegam os básicos do terror e emaranham numa trama SENSACIONAL! Em cada temporada uma história diferente é contada (a primeira se passa numa casa mal assombrada, a segunda num manicômio, e a terceira ainda não vi e, como evito spoilers ao máximo, não faço ideia). Minha dica é: comece pela primeira temporada só para chegar aos episódios especiais de Halloween! Duas palavras para descrever essa série: MIND BLOWING! Nunca fui tão surpreendida com a reviravolta de uma trama e, ai… Por favor, vejam! Preciso parar senão vou contar tudo pra vocês

A Hora do Pesadelo (A Nightmare on Elm Street, 1984)

A Hora do Pesadelo (A Nightmare on Elm Street, 1984)
A estética que tenho do Halloween é de uma noite com filmes clássicos de terror. Acho que fui orientado por minhas séries de TV favoritas que sentar no sofá afastado da parede, assistir filmes em preto e branco — ou dos anos 80 — e ficar com medo de olhar atrás do sofá depois, é a forma mais genuína de passar essa data num local como o Brasil, onde o costume de correr atrás de doces só é presente no dia de São Cosme e Damião. Sendo assim, quero indicar o primeiro filme da franquia original d’A Hora do Pesadelo! Passeando entre trash, terror e comédia, na época causou medo no cinema! Conta a história de Freddy Krueger, homem assassinado há anos que agora busca vingança matando os filhos dos que lhe fizeram mal. Só que Krueger não é um assassino comum! Ele entra nos sonhos das vítimas e tudo que faz com elas no plano astral se torna real no corpo físico! Teve, tipo, uns oito filmes na franquia e um remake legalzinho, e a grande maioria vale pela lenda que Wes Craven criou! Comece por esse e se apaixone!

Caros leitores do nosso blog critica da quele filme, esta navegando por um grande site no ramo de avaliação de filmes internacional, quando me deparei a uma questionamento de um leitor deles, a pergunta era queria assistir o telecine premium, mesmo não tendo a assinatura das operadora de tv fechada via satelite.

canais de filmes barato

Bom fique com isso na cabeça e comecei a procurar no google, como se libertar da tv aberta nacional que anda um verdadeiro lixo, começou a surgir algumas formas e aqui em baixo vou mostra uma forma que achei bem simples e barata.

Listamos a baixo alguns canais de filmes que o sistema Login CS libera, fora todos os outros, mas aqui vamos focar nos que aqui o pessoal gosta filmes e series

Canais Tv GLOBO

  • Megapix
  • Telecine Action
  • Telecine Fun
  • Telecine Pipoca
  • Telecine Premium
  • Telecine Touch
  • Telecine Cult

Outros Canais Filmes da TV Fechada

  • A&E
  • AMC
  • AXN
  • Canal Brasil
  • Cine Brasil TV
  • Cinemax
  • Comedy Central
  • Fox Channel
  • Fox Life
  • Fox Premium 1
  • Fox Premium 2
  • FX
  • HBO
  • HBO Family
  • HBO Plus
  • HBO Signature
  • HBO 2
  • I.Sat
  • Max
  • Max UP
  • MaxPrime
  • Paramount Channel
  • Prime Box Brazil
  • Sony
  • Space
  • Studio Universal
  • Sundance TV
  • Syfy
  • TBS
  • TCM
  • TNT
  • TNT Séries
  • Universal TV
  • Warner Channel

Todos esses canais listado a cima vai ser liberado se comprar um servidor cs, mais afinal qual o benefícios?

Valor quase simbólico cerca de 15,00 reais mensais e 100,00 no plano anual, bom esse é o melhor motivo ja pensou ter acesso a mais de 200 canais da tv fechada por 10,00 ?

O que preciso para ter um CS

Precisa de um receptor compatível com cs como azbox, azemerica, tocomsat, os famosos tv gato.

Uma antena apontada para o satelite da claro ou sky e uma conexão de internet estavel, possuindo 1 mega já irá roda liso.

Na internet um receptor compatível com cs gira em torno de 300,00, uma antena e o cabo cerca de 100,00 e precisa chamar um antenista e pedir para apontar valor médio desse serviço é de 50,00 então vai ser gasto cerca de 500,00 para deixar o sistema pronto para você pedir um teste cs gratis e usufruir toda programação da tv fechada com um preço baixinho, só lembrando que se for contratar um plano completo nessas operadoras vai ser gasto mais de 400,00 mensais.

Conclusão

Existem outras formas de acessar esse canais mais o custo beneficio, depois de 1 anos sem comparação é o CS nele você vai ter toda a grade da tv fechada por um preço irrisório, então sem duvidas eu aprovo ja conheço algumas pessoas que estão utilizando isso e não tem praticamente nenhuma problema, pois com o sistema cs não precisa ficar atualizando o receptor.

Hoje vamos listar 9 filmes que fizeram nossa infância mais feliz <3 

1- Jumanji

A primeira vez que eu ouvi falar desse filme foi no programa X-Tudo (lembram? <3)  e fiquei com MUITA vontade de ver, dai dias depois passou na tv e eu fiquei “WOOOOOW”. 

A história é a seguinte: Tem um jogo de tabuleiro que tudo que acontece nele, é reproduzido na vida real. Dai o pessoal acaba entrando em várias confusões e aventuras (rs) . E o legal são os efeitos especiais muito bem feitos pra época. Mó supimpa!

Filmes que marcou a infância

2- O Máskara

cena sensacional

Ai ai, Jim Carrey e seus filmes de comédia… Sem dúvida um dos meus preferidos dele é “O Máskara”. Não tem como não se divertir com esse filme, sério. (E a Cameron Diaz era mó gatinha rsrsrs) 

Melhores filmes da infância

A história todo mundo já sabe: Ele acha uma máscara que quando colocada, transforma ele naquele ser com a cara verde e todo brincante e ele acaba fazendo coisas muito loucas que até Deus duvida. 

Tudo bem que na época eu não entendia muitas das piadas, mas eu achava sensacional mesmo assim (confesso até que tinha medo do vilão com a máscara). Que saudades de filmes assim :'(

3- Edward Mãos de Tesoura

Por mais que eu ache o Tim Burton ~overrated~, devo admitir que esse filme é sensacional. Acho que é o melhor dele, de longe. Não é um filme infantil, mas me marcou bastante porque a história é muito interessante. 

O Edward é a criação de um inventor que morre e ele acaba ficando sozinho, isolado, até que uma senhora acha ele e o leva para a cidade. Depois de uma armação todos ficam contra ele, menos a paixãozinha dele e todos chora com o final :(

4- Abracadabra

Cara, não tenho palavras pra descrever o quanto eu amo esse filme. Toda vez que eu o vejo passando, eu paro pra assistir porque ele é

Pra quem não conhece (shame on you) a história é a seguinte: As 3 irmã bruxas pegam criancinhas para sugar as almas delas e continuarem jovens para sempre, até que um dia elas são pegas e são mortas enforcadas. Mas depois de 300 anos, um jovem virgem acende a vela da chama negra e isso trás elas à vida e elas têm que sugar as almas das crianças para continuarem vivas. 

Eu particularmente adoro o Binx, que gato foda! HAHAHA E sabe a menininha do filme? Ela é aquela que paga peitinho em “Beleza Americana”, quem diria… Ah, a Sarah Jessica Parker ainda era uma belezura nessa época, também.

Esse é o filme que eu recomendo muito pra quem não viu (A Fernanda só viu esse filme porque eu enchi o saco, porque ela nunca tinha visto, e adorou!) porque ele é muito demais!

Filmes infantil

Quando tivemos a idéia da lista, um milhão de filmes me vieram à cabeça. É tanto filme que fez parte da minha infância! Mas por um milagre, consegui escolher bem os da minha lista, que gosto e assisto até hoje. VAMBORA FAZENDO!
5- Os Batutinhas

Quem NÃO gosta de Batutinhas? Esse é um filme para ser respeitado! A história eu acho que todo mundo conhece, mas vamos lá: Alfalfa é considerado “culpado” por se apaixonar por Darla, numa reunião do grupo de meninos – que odeiam as mulheres, só pra constar -, e daí eles aprontam mil e uma confusões rs.
Até hoje me divirto com “Meninos, bléééé! / Meninas, bléééé!”, as declarações de amor do Alfalfa, do Batatinha botando moral no grupo e do inesquecível “Eu tenho dois picles, eu tenho dois picles hey hey hey”!

6- Cucamonga – Um Acampamento Muito Louco

avancem para 3:35 PFVVV


Cucamonga seria só “Acampamento Cucamonga”, mas eu adoro esses subtítulos do SBT, então deixa assim mesmo. A questão é que eu adoraaaava esse filme, tanto que tive que gravar da TV, porque não encontrava em nenhuma locadora. Cucamonga tem mil personagens importantes (uma delas é a JENNIFER ANISTON!!!), mas a principal mesmo é a toda ~rockeira rbd~ Lindsay (Danica McKellar, eterna Winnie Cooper), que tá puta da vida porque a mãe dela a mandou para um acampamento de férias e agora tem que suportar as meninas com quem divide o quarto e os moleques que só querem zoar – um em especial, que tá apaixonado por ela. 
Eu só sei que Cucamonga, ow yeaaaah ow yeaaaaaaaah!

7- Guerreiros da Virtude

Eu quando criança gostava dos personagens badasses que faziam coisas iradas, e depois saía imitando por aí. Ah, é! Também gostava de filme com garotos bonitinhos, e adivinhe só: Guerreiros da Virtude tem tudo isso e CANGURUS QUE LUTAM ARTES MARCIAIS!!! A história é meio complexa: Ryan (Mario Yedidia, que pelo que pesquisei era o popzão dos filmes da Disney) ia parar numa terra distante e mágica (ele chegava lá quando caía num redemoinho de água, se bem me lembro), e tem que ajudar os cinco Guerreiros da Virtude, os cangurus das artes marciais, a defender a última fonte da vida do Komodo, o vilão da história.
Dizem as más línguas dos críticos que era um péssimo filme, mas eu achava demais e fazia todo mundo assistir. Minha infância ganha, beijocas!

8- A Incrível Jornada

Quando eu era criança, queria muito um cachorro ou gato (ainda quero), só que meus pais não queriam dar porque 1) a gente mora em apartamento, e 2) o trabalho ia sobrar todo pra eles, por mais que eu prometesse que não hehe. O que me restava eram os filmes de cachorro, e A Incrível Jornada sempre foi meu favorito. O filme conta a história de Chance, Shadow e Sassy, dois cachorros e uma gata que ao serem deixados pela sua família na fazenda de uma amiga enquanto ajeitam a casa, decidem voltar pra casa sozinhos, atravessando floresta, montanhas e etc. Eu gostava mais desse filme do que dos outros do tipo porque apesar de ser leve e fofo, é inteligente e bonito pra caramba. Chorava aos meus seis anos e choro até hoje quando resolvo rever. É tããããão lindo!

E pra fechar com chave de ouro, um filme que foi unânime em nossas listas:

9- Aladdin

em português mesmo, pra dar 1 gostinho de infância

Desculpa aí, galera, mas Aladdin é Aladdin e Um Mundo Ideal é a música mais linda da Disney! A história é ótima, os personagens são ótimos e a gente adorava o Aladdin porque ele é super ligeiro, tipo o Peter Pan. Sdds Noites na Arábia!

E aí, quais são seus filmes de infância favoritos? <3

Antes de você começar a ler o post, tem três coisas que você precisa saber:

1. Eu gosto de ópera.
2. Eu gosto de música clássica.
3. Eu sou COMPLETAMENTE APAIXONADA por musicais.

Se você não se encaixa em nenhuma desses três opções, pode ser que você não concorde com o que eu vou dizer agora, e seja uma daquelas pessoas que eu vi indo embora da sala de cinema.
PS.: LEIA ESSE POST CANTANDO.

Os Miseráveis pros e contra

Minha mãe queria assistir “Os miseráveis” e eu estava ansiosa pra esse dia chegar. Passei meu rímel a prova d´água, e fui.
Cheguei lá, perdi os primeiros minutos (me mate, por favor), mas cheguei bem no começo.
No começo, não achei tão entusiasmante, mas daí, o filme começa a prender a atenção de um jeito que você não pode, nem se quiser, desgrudar o olho.
Todos os atores cantando com a alma, dando um show pra valer. Cada minuto que passava, os olhos grudavam mais ainda na tela.
Anne Hathaway estava simplesmente deslumbrante. Por mais horrorosa que ela estivesse naquelas cenas, tenho certeza de cada pessoa daquela sala sentiu o sofrimento dela. Depois disso, continuei arrepiada até o final do filme.
O filme se passa e mais pro final, uma aula de história. Onde o musical se torna um coral completo. Com todos os atores cantando ao mesmo tempo. Foi digno de assistir aquilo.
Os atores conhecidos arrebentaram, Anne, Amanda Seyfried, e os outros todos. Os desconhecidos, AS CRIANÇAS. Todo mundo com a música impecável. Foi um show de verdade, um show que entrava na gente e a gente não tinha como não sentir o que eles nos passavam.

Enfim, posso escrever aqui pra sempre desse filme, nunca vou conseguir dizer o que esse filme me fez sentir, além da vontade de sair cantando tudo, pro resto da vida.
Foi um filme de arrepiar, literalmente, do começo ao fim. Me fez chorar por muitas cenas. CHORAR, não emocionar. Eu chorei a dor deles, senti raiva de verdade. Tudo ali dentro foi real, apesar de falar cantando, não ser real pra nossa vida.

Se eu tenho que indicar um filme pra vocês assistirem, eu indico esse e espero que vcs sintam tudo aquilo, assim como eu senti.

Cá estava eu nesse sábado à noite, conversando com minha amiga Thai pelo whatsapp, quando temos a brilhante idéia de assistir algum filme online juntas e comentá-lo. Depois de procurar um pouco, escolhemos The First Time (não faço idéia da tradução). Play apertado, pesadelo começado.

Filme The First Time é bom?

Filme The First Time é bom

A premissa do filme ainda é interessante: Dave tem um amor platônico pela sua melhor amiga, e Aubrey tem um namorado que não a entende. Eles se conhecem numa festa e ficam no maior papo, rola aquela ~química~ já esperada e os 90 minutos do filme giram em torno da relação deles.
Apesar do clichê, o filme poderia ser bom. Há muitas comédias românticas por aí que a gente assiste já sabendo do final, e isso não influencia você a gostar ou não do filme. O que faz você gostar é o desenrolar dele, e o do First Time é, pardon my french, uma bela bosta.
Nessa uma hora e meia de filme, vemos uma série de acontecimentos sem sentido, acompanhados por diálogos forçados e pseudo-hipster-wannabe-cool. Os personagens falam muito – muito mesmo -, mas não de uma forma legal e que te faz se interessar; é de uma forma que me fez escrever “pqp cala a boca” várias vezes no whatsapp. Senti como se tivessem feito uma versão ruim e de melação barata de Antes do Amanhecer, como se estivessem me forçando a diminuir meu intelecto pra conseguir engolir o roteiro horrível. Sério. Você nem consegue torcer para o casal ficar junto. Ou até torce, mas é só para que acabe logo o filme. No final, tudo o que eu queria é que o filme voltasse aos dez minutos iniciais e que o Dave deixasse Aubrey morrer de frio do lado de fora da festa, de tão chata que ela é. 

aff klabok, eu sou otchimannn
Aí entro na questão dos personagens: Aubrey entra fácil, fácil na lista de piores protagonistas de todos os tempos. Tudo o que ela faz e fala é uma tentativa forçada de ser profunda, interessante e decidida. Ela simplesmente não convence em nada do que tenta passar. Isso porque nem entrei no mérito de atuação…
Também tem o namorado da Aubrey, que consegue ser ainda mais chato que ela. O que salva no filme é o protagonista e os coadjuvantes – os amigos de Dave são ótimos. Eles são a parte lúcida, que faz sentido no filme, e o tempo todo me senti representada por eles, que falavam todas as coisas que eu queria falar para o Dave. Quanto a ele, é um bom protagonista. O ator tem carisma, é simpático, bem apessoado. O papel de bom moço cola e você torce para que ele se dê bem. O único problema é que não dá para entender porque raios ele se enfia nessa história e insiste em alguém tão mala.

véi, qq eu tô fazendo aqui
Para esse filme ser bom, tinham que ter dado uma bela enxugada no texto, trocado de atriz principal, se aprofundado um pouco mais nos coadjuvantes, tirado umas subplots que não fazem a menor diferença para a história… Ou então ter contratado outro roteirista. Qualquer um. Sério 
Também queria deixar registrado que a escolha do título do filme foi péssima. A questão da “primeira vez” só é abordada mais pro final, quando um monte de outros assuntos mais importantes já foram resolvidos, deixando essa parte até apagadinha.

Conclusão

Não que com outro título fosse melhorar alguma coisa também, rs.
É isso. Eu adoro uma porcaria, mas toda porcaria tem seu limite. Só recomendaria para quem quiser passar uma hora e meia olhando pra cara do Dylan O’Brien, mas pra isso já temos Teen Wolf, né? 
Como diria o Chaves: Preferia ter visto o filme do Pelé.

Minha história com Selvagens não começou muito bem. Não fiquei muito interessada em assistir o filme quando ele estreou no cinema. Depois, quando aluguei na Blockbuster, ele ainda ficou mais ou menos um mês parado em casa, já que eu estava sem vontade (mascarada de “falta de tempo”) de assistir. Só nesse final de semana que resolvi criar coragem e dei play. 

Selvagens é bom?

Primeiro de tudo, vou deixar um resumo bem porco sobre a história, mas bem porco mesmo, porque quanto menos você souber, melhor: Ben (Aaron Johnson <3), Chon (Taylor Kitsch) e Ophelia (Blake Lively) são um triângulo amoroso, vivem felizes, cheios da grana, bem confortáveis. Isso porque Chon e Ben plantam a melhor maconha do mundo, do tipo que traficantes da pesada (rs) matam pra ter acesso. O Cartel de Baja, galerinha sanguinária e bolada, quer fazer um acordo com eles, que recusam e, como consequência, Ophelia é sequestrada, deixando a dupla sem muita alternativa do que fazer. 
 A primeira vista, confesso que não botei muita fé na história. O filme segue a narrativa de Ophelia, sob alcunha de O, e talvez seja pelo fato de não conseguir levar a Blake Lively tão a sério assim (eu gosto dela, só pra deixar claro!!!) que me fez achar aquele texto pouco convincente. Como que eu ia engolir, em menos de dez minutos, que aquela relação maluca dava certo, e que aqueles molecões eram tão ~fodões~ pra estarem atrás deles?! A frase que ela lança logo no começo do filme, que deixa a dúvida se tudo acaba bem ou mal (“Só porque estou contando essa história não quer dizer que esteja viva no final” ou algo do tipo), também não me causou muito efeito. Mas tudo bem. Resolvi me revirar no sofá e continuar assistindo. Ainda bem. 

Até eu que sou mais besta rs

 Eu realmente não precisava botar fé logo de cara, porque ao longo dessas quase 2 horas e meia de filme, eles me dariam tudo o que precisava para entender o por quê de Ben e Chon serem muito mais que dois molecões apaixonados pela mesma menina. Primeiro que eles tem todos os contatos necessários para serem tão grandes e conseguirem levar seu “negócio” para frente por tanto tempo. Os dois também tem uma bela sintonia, ainda que sejam o completo oposto um do outro: Ben é ambientalista e filantropo, enquanto Chon é um ex-mercenario e ex-integrante da SEAL. Ben é completamente pacífico, enquanto Chon prefere resolver as coisas no cacete. Diferentes e muito carismáticos.

 Também vale comentar sobre Elena, chefe do Cartel de Baja (os traficantes da pesada), interpretada pela Salma Hayek. Ela tem uma bela postura de chefe, ameaçando quem tiver que ameaçar, dando ordens e sendo muito eloquente, fosse sendo a mulher perigosa, fosse sendo a mulher sofredora, carente de amor filial. Lado (Benicio Del Toro) assume o papel de vilão do filme, pois ainda que não seja o cara mais importante ou mais perigoso, é o personagem que te faz sentir mais ódio, nojo, repúdia. Tentava encontrar um motivo para ele ser tão escroto, mas ele simplesmente o é e ponto, o que me fez gostar – não dele, mas do fato de não precisar ter um motivo. Aproveito ainda pra falar de coadjuvantes como John Travolta, que está simplesmente ótimo como o agente anti-drogas que é uma incógnita, e Emile Hirsch, o garoto inteligente e super útil para a dupla principal.


 Agora um parágrafo para Blake Lively e sua querida O. Lembra que eu disse que não botava muita fé na narrativa dela? Bem, eu terminei o filme ainda achando ela meio tosca, mas com a opinião completamente diferente sobre a personagem em si no filme. Apesar dela ser riquinha, visivelmente mimada e não estar aí pra muita coisa, criei uma grande afeição por ela, enquanto passa por toda essa situação terrível. Ela é muito esperta, muito eloquente, muito sincera e muito intensa. Por mais que pra mim seja inconcebível a idéia de um triângulo amoroso dar certo na vida real, eu consegui acreditar que ela amava aqueles dois da mesma forma, de verdade. E torci para que no final ela estivesse viva, sim.

Sou fodan queridinho

 Esse texto já está muito grande, então é melhor eu já finalizar. Selvagens, além de ser um ótimo filme, com uma história muito bem desenvolvida, tem personagens cativantes, que te fazem torcer para que dê tudo certo para eles no final. Eu confesso que tive medo de verdade por diversas vezes. Me colocava no lugar dos personagens e sofria. Melhor que muito filme de terror. Só achei mesmo que ficou faltando uns dez minutos finais que fizessem jus aos três personagens principais. No mais, fica aqui minha recomendação, meu quote favorito e o trailer do filme:

 “I looked up the definition of savage. It means cruel, crippled, regressed back to a primal state of being. One day, maybe, we’ll be back. For now, we live like savages… beautiful, savages.”

Nesse sábado, decidimos assistir Em Transe, novo filme do Danny Boyle que estreou na última sexta-feira. Tava tudo dando certo: dia bonito, cinema sem fila, finalmente chegamos na hora certa (!!!), porém… todas as salas estavam com o ar-condicionado quebrado. Errr. Ficamos meio decepcionados, mas na hora surgiu um plano B: assistir Laranja Mecânica.

   Na semana passada, o Cinesesc, aqui em São Paulo, trouxe com exclusividade a versão remasterizada de Laranja Mecânica para o cinema. Tentamos até assistir com o Tchoi Moi completo (sdds Érica) no sábado passado, mas os ingressos estavam esgotados, sniff sniff. Por sorte, dessa vez ainda tinha ingresso para a sessão da tarde. Chamamos nosso amigo Rafael Ricardo para assistir conosco, e fomos. 

Laranja Mecânica

 Primeiramente, um ctrl+v na sinopse: Laranja Mecânica é dirigido pelo Stanley Kubrick, baseado na obra homônima de Anthony Burgess. O filme conta a história de Alex Delarge (Malcolm McDowell), líder dos Drugues, grupo de jovens ingleses adeptos da ultraviolência, potencializada pelo leite com drogas do Korova’s Milk Bar. Amante de sexo, roubos e Beethoven, ele é preso após um dos ataques da gangue. Na prisão, é submetido a um tratamento psiquiátrico revolucionário, que promete fazer com que o impulso violento se torne repulsa, mas que tem lá suas controvérsias.

Confesso que eu não estava com muita vontade de ver esse filme mas resolvi dar uma chance, e não me arrependo de jeito nenhum. 

   Eu não estava com nenhuma expectativa e não sabia absolutamente nada da história. Só sabia que era um clássico e que todo mundo adorava e tinha camiseta desse filme RS.

   Acabou que achei o filme sensacional. Mesmo. A direção foi o que mais me impressionou, pois tem várias cenas sensacionais e que me deixaram muito perplexo, e não sei nem explicar o porquê disso. 

   A história é muito boa, bem construída, tem ótimos atores e a trilha-sonora merece um destaque. Só músicas boas e que se encaixam muito bem nas cenas deixando tudo muito mais legal e interessante. Só não gostei muito do final, mas isso não muda muita coisa, pois o filme continua genial, anyway. Pra quem não viu, veja, pois vale muito a pena e com certeza ele não é considerado um clássico à toa.

Bom, eu assisti esse filme quando tinha 13 anos, na época que tinha o dicionário das gírias dele no orkut e adorava um filme polêmico. Não assistia há muitos anos, e juntando isso com o fato de ir à sessão com duas pessoas que nunca assistiram antes, acabei revendo-o como se fosse a primeira vez.

   Primeiro que a realidade do filme é bem horrível. O que Alex e sua turminha fazem é contra qualquer princípio de gente direita: espancar, roubar, estuprar… Nada digno, né rs. Mas apesar de não concordar com nada disso, eu gosto muito do Alex. Ele é um perfeito anti-herói, faz tudo errado, é completamente errado, manipulador, egoísta, mas é extremamente carismático e isso basta pra você se interessar por ele. Sem contar que Alex é ruim simplesmente por ser, e eu gosto muito quando fazem personagens assim, quando não precisa de motivos que justifiquem a maldade dele. E nada justifica a maldade do Alex. Até ele sabe disso, e gosta de ser assim.

  Também vale destacar a fotografia, que é muito boa, bem como a trilha sonora e todo o texto. Você até se perde com o tanto de palavras inventadas no começo, mas logo pega o significado delas. Também gosto do jeito teatral das atuações e falas, e as cenas… Bem, há várias cenas geniais no filme. A narrativa é bem lenta, até porque tem quase três horas de duração (!!!), mas aí é só levar em consideração que é um filme de 1971 (!!! de novo), e que a história é boa demais para se tornar maçante.

  Veredicto: oito anos depois, continuo adorando Laranja Mecânica. Sabe aqueles filmes que você precisa ver ao menos uma vez na vida? Então, esse é um deles. Run, bro!

Bom, galera. Todo mundo sabe que o Tchoi Moi adora muito cinema e filmes. E como já faz um tempo que eu não participo de um Tchoi Moi indica, vou falar sobre os últimos três filmes que eu vi no cinema!

Se Beber Não Case – Parte III

vale a penas ver Se Beber Não Case - Parte III


Olha só, eu adoro esses filmes de loucuras e trapalhagens. Principalmente essa saga Se beber não case, porque me lembra muito a Copavet, os jogos da veterinária, que eu adoro.

Acho as aventuras deles muito bacanas, as ciladas, Bino, e eles se dando mal o tempo inteiro.

Maaaaas, achei que esse foi o mais sem graça de todos. Claro que me arrancou umas BOAS gargalhadas, e se fosse um filme único, sem dois deles precedentes, seria HILÁRIO. O problema é que os outros dois, que vieram antes desse terceito, são muito mais hilários. Muito mais engraçados, o que faz a nossa expectativa sobre a parte 3 ser muito maior do que o filme oferece. Eles se enfiam em algumas confusões e tudo mais, mas nada daquela coisa de “Ferrou, não me lembro, preciso correr atrás dos prejuízos”.

Enfim! No final, eles dâo a entender que terá outro filme, e se realmente, ele acontecer, vai ser no mesmo estilo dos dois primeiros. Portanto, na minha humilde opinião, eu não assistiria no cinema. Optaria por outros filmes. Não me importaria de depois comprar o dvd ou assistir pela tv

Vale a pena assistir Depois da Terra

Um filme relativamente curto. Uma hora e meia, de muita emoção. Minha mãe chegou a dar uns belos gritos no cinema! A sorte dela é que o cinema estava vazio e o som do filme encobriu. Hahahaha. Mas esse filme é realmente de tirar o folego.

Depois da Terra bom?

Tem partes onde a gente tem raiva do Will Smith, e outras que a gente tem vontade de chorar de emoção. O Jaden Smith, filho do Will, deu um show. Senti muito do que ele demostrava sentir no filme e foi muito, muito emocionante. Acho que ele vai ter uma carreira como a do pai – que por sinal, não envelhece nunca!

A mensagem do filme, ainda que metafórica, diz que o medo nos atrasa. Devemos sempre viver o momento, afinal, não adianta temer e deixar de viver o agora, sendo que o depois, a gente nem sabe se vai existir.

A única coisa que eu acho que o filme pecou – E MUITO – foi que o filme, uma hora, TERMINA. Fiquei meio sem chão quando vi que já tinha terminado. Queria viver aquilo por mais uma semana, um mês, um ano…  Foi lindo, além de ver algumas morais da história e de ver o que a gente têm feito com o nosso planeta.

Super recomendo, mas se você não aguenta fortes emoções, é melhor ir preparado pra, pelo menos, uma falta de ar

Ultimo Universidade Monstro

Ultimo Universidade Monstro

SENHOR JESUS, QUANTA FOFURA!!! Mike Wazowski criança é simplesmente a coisa mais linda e meiga do mundo.

Eu sou muito suspeita pra falar, afinal, eu AMO animações. Na sala de cinema, ainda mais na estréia, só tinha adultos, porque eles estavam acompanhando a criançada toda que foi assistir o filme. Eu esperei ansiosa por essa estreia e não me decepcionei nem um pouco.

Achei linda a história, quis chorar de dó do Mike! Esse carinha sabe como enfrentar um Bullying, sem esse chororô que todo mundo faz, nos dias de hoje. O filme tem uma história de superação bem bonitinha, mostra que quem faz da gente capaz, é a nossa vontade e não o nosso destino. Além de mostrar que mudar de opinião é sempre válido! Que nem sempre os seus amigos de hoje serão fieis a você até o fim, mas que você pode tirar muito aprendizado de alguém que você julga pela aparência, principalmente quando conhece realmente essa pessoa.

Pra quem gosta de animação, é uma mensagem linda com umas BONÍSSIMAS RISADAS! Amei e quero voltar pra Disney só pra dar mais um abraço no Mike e no Sully! Fofuras mil!

Hoje resolvi dar uma pausa em `séries`na categoria cultura e resolvi postar um filme que há tempos estou para indicar para vocês: Deus não está morto.

Deus não está morto é um filme de drama que que teve sua estréia nos cinemas americanos em março de 2014. Ele foi dirigido por Harold Cronk e estrelado por Kevin Sorbo, Shane Harper, David White e Dean Cain.

Deus não está morto

O filme conta a história de Josh Wheaton, um jovem cristão, que se matricula em uma universidade onde possui aulas de filosofia ministradas pelo professor Jeffrey Radisson, que é ateu. Logo na primeira aula, o professor exige que seus alunos entreguem-lhe uma declaração de que “Deus está morto” para poderem obter uma nota de aprovação, porém Josh se recusa a assinar, fazendo com que por isso Radisson exija que ele prove que Deus não está morto.

É instigante acompanhar o ponto de vista de ambos os lados, e ainda mais incrível ver como o jovem estudante tem ótimos argumentos para provar a existência de Deus.

Eu fiquei impressionada com o decorrer do filme. Adorei e indico para todas as pessoas! É DE ARREPIAR!

Vocês já assistiram esse filme meninas? Gostaram da dica?

Melhor da Tv de forma facil

Tenha todos os canais de filmes da televisão fechada de uma forma facil e simples, peça um teste cs claro e veja as vantagens de assitir todos os telecines e hbo e outros canais.